Aquecimento da Amazônia afeta a temperatura do Tibete, revela pesquisa

Monges tibetanos - Foto: Domínio público, 2017
  • Pesquisa publicada na revista “Nature Climate Change” revela que, quando aumenta a temperatura na floresta amazônica, o mesmo acontece no Tibete
  • As regiões ficam a 20 mil km de distância
  • Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram identificar e quantificar a interferência das chamadas teleconexões
  • Coautor do estudo alerta para riscos de um efeito cascata e para a necessidade de reduzir a emissão de gases na atmosfera

A extração de madeira, a construção de estradas e o aquecimento já estão estressando a floresta amazônica e provavelmente o farão ainda mais – e embora a região amazônica seja, obviamente, um importante elemento do sistema terrestre por si só, também é uma questão urgente descobrir se, e como, as mudanças ali podem afetar outras partes do mundo”, afirma Jingfang Fan, da Beijing Normal University, na China, e do Potsdam Institute for Climate Impact Research (PIK), na Alemanha.

“Pela primeira vez, conseguimos identificar e quantificar de forma robusta essas chamadas teleconexões. Nossa pesquisa confirma que os elementos basculantes do sistema terrestre estão realmente interligados mesmo em longas distâncias, e a Amazônia é um exemplo importante de como isso pode acontecer.”

Estudo analisou mudanças de temperatura globais nos últimos 40 anos

Pesquisadores analisaram as mudanças de temperatura do ar perto da superfície em mais de 65 mil sub-regiões (chamadas “nós”) usando dados dos últimos 40 anos. Ao fazer isso, eles puderam ver como as mudanças em um nó influenciavam as de outro.

Eles conseguiram detectar um caminho de propagação ao longo de mais de 20 mil km – da América do Sul, passando pela África Austral, até o Oriente Médio e, finalmente, até o planalto tibetano. Esta via pode ser explicada pelos principais padrões de circulação atmosférica e oceânica.

Na etapa seguinte, os pesquisadores usaram simulações computadorizadas de clima para observar como o aquecimento global, causado pelas emissões de gases de efeito estufa da queima de combustíveis fósseis, pode modificar as ligações de longa distância até o ano 2100.

“Ficamos surpresos ao ver como os extremos climáticos na Amazônia estão conectados aos extremos climáticos no Tibete”, diz Jürgen Kurths, do PIK, coautor do artigo.

“Quando está ficando mais quente na Amazônia, também fica mais quente no Tibete. Portanto, em relação à temperatura, há uma correlação positiva. É diferente para a precipitação. Quando chove mais na Amazônia, cai menos neve no Tibete.”
Jürgen Kurths, pesquisador do PIK

Os pesquisadores detectaram os primeiros sinais de alerta com base nos dados da cobertura de neve e revelam que o planalto tibetano vem perdendo estabilidade e se aproximando de um ponto crítico desde 2008.

“Isso foi negligenciado até agora”, diz Kurths. Apesar da localização remota, o planalto tibetano é relevante para a subsistência de muitas pessoas devido ao seu papel como um importante reservatório d’água.

Riscos de um efeito cascata climático

“Nossa pesquisa destaca que o efeito cascata no clima é um risco a ser levado a sério: elementos interligados no sistema terrestre podem desencadear uns aos outros, com consequências potencialmente graves”, diz Hans Joachim Schellnhuber, do PIK, também coautor.

“Para ser claro, é improvável que o sistema climático como um todo mude. No entanto, ao longo do tempo, os eventos de inclinação subcontinental podem afetar gravemente sociedades inteiras e ameaçar partes importantes da biosfera. Este é um risco que devemos evitar. E podemos fazer isso reduzindo rapidamente as emissões de gases de efeito estufa e desenvolvendo soluções baseadas na natureza para remover o gás carbônico da atmosfera”.

Print Friendly, PDF & Email

Você pode gostar...

Translate »